Portuguese Dental Association

Portuguese Dental Association supports WHPA NCD campaign and launches own language version of health improvement card

 

Manual intervention for chronic diseases
 
Non-communicable diseases (NCDs), or chronic diseases, which include cardiovascular and respiratory diseases, cancer, diabetes, among others, are a major cause of premature death and account for about 60% of deaths worldwide
 
 download translations; http://www.omd.pt/md/doencas-cronicas
 
The role of oral health has recently been strengthened through its specific reference in the policy statement issued by the UN Summit on non-communicable diseases. Oral diseases are not responsible for high mortality rates, but tooth decay and periodontal disease affect more than 90% of the world population and have a huge impact on health. Dental caries, an oral disease affects billions of people around the world, is a major challenge for public health.
 
For the World Alliance of Health Professions (WHPA), which represents more than 26 million health professionals, including dentists, doctors, physiotherapists, pharmacists and nurses from more than 130 countries, the epidemic of noncommunicable diseases on a global scale is a huge concern, since it represents a significant threat to health and human development. If the NCDs are not addressed, the number of people with these diseases continue to increase.
 
However, most of NCDs can be prevented by practicing a healthy diet, increasing physical activity, quitting smoking and reducing alcohol misuse. And these factors are easily detectable by dentists in communicating with their patients.
 
The Manual Intervention for Noncommunicable Diseases, launched by WHPA, translated by the  Portuguese Dental Association and is now available for download on the website, aims to be a practical tool that should be used by health professionals, patients and the general public on NCDs.
 
The manual includes a "Health Improvement Card", "A Guide for Health Professionals" and "A Guide for Patients and General Public." Attention is focused on "Improving Health Card", a simple tool that dentists should use to communicate with their patients and the general public aimed to inform about what can be done to improve health by implementing changes positive behavior and lifestyle.
 
It focuses on risk factors, helps the individual to assess personal risk, in consultation with your dentist and define an action plan with targets to be achieved in view of the risk factors.
 
For Orlando Monteiro da Silva, president of the OMD, "this manual WHPA proud our class and seeks to maximize the key role that dentists should play in the fight against NCDs."
 
The undeniable connection between DNT and oral diseases causes dentists occupy a special place in evaluation, diagnosis and referencing the patients in relation to risk factors. The dentistry and its professionals have access not only to the symptoms of oral diseases, but also risk behaviors.
 

Whether on the consumption of alcohol or tobacco through stains and changes on the teeth and mucosae, is to excessive intake of sugar and sweet drinks, through the level of caries. "It is our firm conviction that this manual intervention will be a useful tool for dentists," he said.

 

Manual de intervenção para as doenças crónicas

As doenças não transmissíveis (DNT), ou doenças crónicas, que incluem as doenças cardiovasculares e respiratórias, cancro, diabetes, entre outras, são uma das principais causas de morte prematura e responsáveis por cerca de 60% das mortes em todo o mundo
 
 download translations; http://www.omd.pt/md/doencas-cronicas 
 

O papel da saúde oral foi recentemente reforçado através da sua menção específica na declaração política emanada da Cimeira das Nações Unidas sobre doenças não comunicáveis. As doenças orais não são responsáveis por taxas de mortalidade elevadas, mas a cárie dentária e a doença periodontal afetam mais de 90% da população mundial e têm um enorme impacto na saúde. A cárie dentária, doença oral mais prevalente e que afeta biliões de pessoas em todo o mundo, é um desafio importante para a saúde pública.

Para a Aliança Mundial das Profissões de Saúde (WHPA), que representa mais de 26 milhões de profissionais de saúde, incluindo médicos dentistas, médicos, fisioterapeutas, farmacêuticos e enfermeiros de mais de 130 países, a epidemia das doenças não transmissíveis à escala global constitui uma enorme preocupação, uma vez que representa uma ameaça significativa à saúde e ao desenvolvimento humano. Se as DNT não forem combatidas, o número de pessoas com estas doenças continuará a aumentar.

No entanto, a maioria das DNT podem ser evitadas com a prática de uma dieta saudável, o aumento da atividade física, a cessação do consumo de tabaco e a redução do consumo abusivo do álcool. E estes fatores são facilmente detetáveis pelos médicos dentistas na comunicação com os seus pacientes.

O Manual de Intervenção para as Doenças Não Transmissíveis, lançado pela WHPA, agora traduzido pela OMD e disponibilizado no site para download, tem como objetivo ser um instrumento de carácter prático, que deverá ser utilizado por profissionais de saúde, pacientes e público em geral sobre as DNT.

O Manual inclui um “Cartão de Melhoria da Saúde”, um “Guia para Profissionais de Saúde” e um “Guia para Pacientes e Público em Geral”. A atenção é focalizada no “Cartão de Melhoria da Saúde”, uma simples ferramenta que os médicos dentistas, deverão utilizar na comunicação com os seus pacientes e o público em geral como objetivo de informar sobre o que pode ser feito para melhorar a saúde, implementando mudanças positivas no comportamento e no estilo de vida.

Concentra-se nos fatores de risco, ajuda o indivíduo a avaliar o risco pessoal, em consulta com o seu médico dentista e define um plano de ação com metas a atingir tendo em vista os fatores de risco.

Para Orlando Monteiro da Silva, bastonário da OMD, “este manual da WHPA orgulha a nossa classe e procura potencializar o papel chave que os médicos dentistas devem desempenhar na luta contra as DNT.”

A inegável ligação entre DNT e doenças orais faz com que os médicos dentistas ocupem um lugar privilegiado na avaliação, diagnóstico e na referenciação dos pacientes no que se refere aos factores de risco. A medicina dentária e os seus profissionais têm acesso não só aos sintomas das doenças orais, mas também aos comportamentos de risco.

Seja no consumo de álcool ou tabaco, através de manchas e alterações nos dentes e mucosas, seja no consumo excessivo de açúcar e bebidas doces, através do nível de cáries. “É nossa firme convicção que este Manual de Intervenção será uma ferramenta útil para os médicos dentistas”, afirmou.